Assistência de enfermagem ao parto: o uso da manobra de Kristeller – revisão integrativa [Midwifery care in childbirth: the use of Kristeller's maneuver - integrative review]

Jéssica Barbosa Ferreira, Amanda Pereira Vera da Costa, Ursulla Vilella Andrade

Resumo


Objetivo: identificar evidências sobre a prática do uso da Manobra de Kristeller por enfermeiras obstétricas sob a perspectiva da violência obstétrica. Método: trata-se de revisão integrativa. Para a seleção dos artigos foi utilizada a base de dados SciElo e a amostra desta revisão constituiu-se de oito artigos. Resultados: Após a análise dos artigos incluídos na revisão verificou-se que a violência obstétrica ainda é significativamente realizada nos centros obstétricos, e a Manobra de Kristeller não deixou de ser praticada mesmo não tendo evidenciados seus benefícios. Conclusão: a enfermeira obstétrica é fundamental para uma assistência livre de intervenções cuidando da parturiente de forma mais humanizada possível, fornecendo-lhe conformo e tranquilidade. É necessária uma maior divulgação sobre o tema, embasado nas políticas públicas de saúde para que as mulheres possam pleitear seus direitos ao reconhecer a prática.

ABSTRACT

Objective: to identify evidence on the practice of using the Kristeller maneuver by nurse midwives from the perspective of obstetric violence. Method: this is an integrative review. For the selection of articles, the SciElo database was used and the sample of this review consisted of eight articles. Results: After analyzing the articles included in the review, it was verified that obstetric violence is still significantly performed in obstetric centers, and the Kristeller Maneuver was not practiced even though it did not show its benefits. Conclusion: nurse midwives are essential for a care with no intervention, but caring for the woman as most humanized as possible, providing her comfort and tranquility. There is a need for greater discussion on this subject, considering the public health policies so that women can plead their rights when recognizing the practice.

RESUMEN

Objetivo: identificar evidencia sobre la práctica de usar la maniobra de Kristeller por parte de enfermeras obstétricas desde la perspectiva de la violencia obstétrica. Método: esta es una revisión integradora. Para la selección de artículos, se utilizó la base de datos SciElo y la muestra de esta revisión constó de ocho artículos. Resultados: Después de analizar los artículos incluidos en la revisión, se verificó que la violencia obstétrica todavía se realiza de manera significativa en los centros obstétricos, y la maniobra de Kristeller no se practicó a pesar de que no mostró sus beneficios. Conclusión: las enfermeras parteras son esenciales para una atención sin intervención, pero cuidando a la mujer lo más humanizada posible, brindándole comodidad y tranquilidad. Es necesario un mayor debate sobre este tema, considerando las políticas de salud pública para que las mujeres puedan defender sus derechos al reconocer la práctica.


Palavras-chave


Traumas, Violência, Assistência de Enfermagem.

Texto completo:

PDF(POR)

Referências


- Secretaria de Políticas para as Mulheres (Br). Plano nacional de políticas para as mulheres [Internet]. Brasília (DF): Presidência da República; 2013 [citado em 01 set 2017]. Disponível em: http://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/publicacoes/pnpm-2013-2015-em-22ago13.pdf

- Gil ST. Breve Análise Sobre a Violência Obstétrica no Brasil. In: Resumos do XI Colóquio Nacional representações de gênero e sexualidades; 2015 jun 03-05; Campina Grande; Brasil; Campina Grande (PB): 2015.

- Gonzales APS, Garabini VMB. Violência Obstétrica. Revista Jurídica Direito, Sociedade e Justiça. 2016; (3): 842-843. [citado em 12 ago 2017]. Disponível em: http://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/download/917/842.

- Fundação Perseu Abramo. Gravidez, filhos e violência institucional no parto. Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado [Internet]. São Paulo (SP): Fundação Perseu Abramo; 2010. [citado em 30 jul 2017]. Disponível em: http://www.apublica.org/wp-content/uploads/2013/03/www.fpa_.org_.br_sites_default_files_pesquisaintegra.pdf

- Aguiar JM, D'oliveira AFPL. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2011; 15(36). [citado em 23 ago 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832011000100007

- SALGADO HO. A experiência da cesárea indesejada: perspectivas das mulheres sobre decisões e suas implicações no parto e nascimento [dissertação de mestrado em Saúde Materno Infantil]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2012. [citado em 02 maio 2017]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-28012013-160810/pt-br.php

- Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 36, de 3 de junho de 2008. Dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal. Brasília: AVISA; 2008. [citado em 17 ago 2017]. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-n-36-de-03-de-junho-de-2008

- Organização Mundial da Saúde (OMS). Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra (SWZ); 1996.

- Roman AR, Friedlander MR. Revisão integrativa de pesquisa aplicada à enfermagem. Cogitare Enferm. 1998; 3(2): 109-12. [citado em 02 set 2017]. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/44358

- Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005; 52(5):546-53. [citado em 20 ago 2017]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16268861

- Whittemore R. Combining evidence in nursing research: methods and implications. Nurs Res. 2005; 54(1):56-62. [citado em 17 jul 2017]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15695940

- Vargens COM, Silva ACV, Progianti MC. Contribuição de enfermeiras obstetras para a consolidação do parto humanizado em maternidades do Rio de Janeiro- Brasil. Escola Anna Nery. 2017; 21(1): 1-8. [citado em 14 jul 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452017000100215&script=sci_abstract&tlng=pt

- Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery. 2016; 20(2):324-331. [citado em 14 jul 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n2/1414-8145-ean-20-02-0324.pdf

- Andrade PON, Silva JQP, Diniz CMM, Caminha MFC. Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2016; 16(1):29-37. [citado em 15 jul 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v16n1/1519-3829-rbsmi-16-01-0029.pdf

- Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Pereira MN, Bastos MH, Gama SGN. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(supl.1): S17-S47. [citado em 01 set 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf

- Santos LM, Pereira SSCP. Vivências de mulheres sobre a assistência recebida no processo parturitivo. Physis. 2012; 22(1): 77-97. [citado em 30 ago 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312012000100005&script=sci_abstract&tlng=pt

- Silva MG, Marcelino MC, Rodrigues LSP, Toro RC, Shimo AKK. Violência Obstétrica na visão de enfermeiras obstetras. Rev Rene. 2014; 15(4):720-728. [citado em 30 ago 2017]. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/11479/1/2014_art_mgsilva.pdf

- Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Comunicação saúde educação. 2017; 21(60):209-20. [citado em 27 ago 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832017000100209&script=sci_abstract&tlng=pt

- Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Pereira MN, Bastos MH, Gama SGN. Ampliando o debate. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(supl.1):S43-S47. [citado em 23 ago 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0043.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.