Direitos da mulher no ciclo gravídico-puerperal: conhecimento das gestantes em uma unidade básica de saúde [Women's rights in the pregnancy-puerperal cycle: knowledge of pregnant women in a primary care unit]

Taísa de Paula Gonçalves, Bárbara Kellen Souza Oliveira, Kleyde Ventura de Souza

Resumo


Objetivo: analisar o conhecimento das gestantes sobre seus direitos no ciclo gravídico-puerperal. Metodologia: estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa. Desenvolvido em um Centro de Saúde, de Belo Horizonte. Participaram 21 gestantes, com 18 anos ou mais, que realizavam o pré-natal na Unidade. A coleta de dados foi feita por meio de entrevistas individuais. Utilizou-se a Análise de Conteúdo. Resultados: Em geral, as gestantes demonstraram desconhecimento e insegurança sobre os seus direitos no ciclo gravídico-puerperal. Além disso, esse tema era pouco abordado pelos profissionais de saúde durante as consultas de pré-natal, sendo que os meios de comunicação e as experiências familiares e pessoais foram os mais citados como forma de disseminação de informações sobre o assunto. Conclusão/Implicações para a enfermagem obstétrica: a educação em saúde é importante dispositivo para construção de conhecimento e fortalecimento da autonomia da mulher. Dessa forma, os profissionais de saúde devem estar capacitados, com conhecimento atualizado e baseado em evidências científicas, quanto às políticas e os programas existentes voltados para a saúde e direitos da mulher.

ABSTRACT

Objective: to analyse the knowledge of pregnant women about their rights in the pregnancy-puerperal cycle. Methodology: descriptive, exploratory, with qualitative approach. It was performed in a Health Center, Belo Horizonte. Participants were 21 pregnant women, 18 years of age or older, who had prenatal in the Unit. Data was collected through individual interviews. Content Analysis was used. Results: in general, the pregnant women showed lack of knowledge and insecurity about their rights in the pregnancy-puerperal cycle. In addition, this topic was little approached by health professionals during prenatal consultations. The media, family and personal experiences were the most cited as a way of disseminating information about the subject. Conclusion / Implications for obstetric nursing: health education is an important resource for building knowledge and strengthening women's autonomy. In this sense, health professionals should be trained, with up-to-date evidence based knowledge on existing policies, as well as the programs for women's health and rights.

RESUMEN

Objetivo: analizar el conocimiento de mujeres embarazadas sobre sus derechos en el ciclo embarazo-puerperal. Metodología: investigación descriptiva, exploratoria, cualitativa. Se realizó en un Centro de Salud, Belo Horizonte. Los participantes fueron 21 mujeres embarazadas, de 18 años de edad o más, que tuvieron atención prenatal en la Unidad. Los datos fueron recolectados a través de entrevistas individuales. Se utilizó el análisis de contenido. Resultados: en general, las mujeres embarazadas demostraron desconocimiento e inseguridad sobre sus derechos en el ciclo de embarazo-puerperal. Además, este tema fue poco abordado por los profesionales durante las consultas prenatales. Los medios de comunicación, las experiencias familiares y personales fueron las más citadas como forma de difundir información sobre el tema. Conclusión/implicaciones para la enfermería obstétrica: la educación en salud es un recurso importante para generar conocimiento y fortalecer la autonomía de las mujeres. En este sentido, los profesionales deben estar capacitados, con un conocimiento actualizado, basado en evidencias, sobre las políticas existentes, así como los programas de salud y derechos de las mujeres.


Palavras-chave


Saúde da mulher; direitos da mulher; gestantes; educação em saúde.

Texto completo:

PDF(POR)

Referências


-Ministério da Saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher. Princípios e Diretrizes. Brasília, DF, 2004. Disponível em: .

- Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento. Brasília, DF: Secretaria de Políticas de Saúde; 2000.

-Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Rede Cegonha. Diário Oficial da União: Brasília (DF); 2011 Jun 27; Seção 1.

-Ministério da Saúde. Pacto Nacional pela redução da Mortalidade Materna e Neonatal. Brasília, 2004. Disponível em: .

- Busanello J, Lunardi Filho WD, Kerber NPC, Lunardi VL, Santos SS. Participação da mulher no processo decisório no ciclo gravídico-puerperal: revisão integrativa do cuidado de enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2011 Dec [cited 2017 Aug 22] ; 32( 4 ): 807-814. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000400023&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000400023.

- Duarte SJH et al. Ações de enfermagem na educação em saúde no pré-natal: relato de experiência de um projeto de extensão da universidade federal do Mato Grosso. Rev Enferm Cent O Min. 2011; 1(2):277-282.

- Silva SG, Silva EL, Souza KV, Oliveira DCC. Perfil de gestantes participantes de rodas de conversa sobre o plano de parto. Enfermagem Obstétrica, Rio de Janeiro, 2015 jan/abr; 2(1):9-14.

- Rodrigues EM, Nascimento RG, Araújo A. Protocolo na assistência pré-natal: ações, facilidades e dificuldades dos enfermeiros da Equipe de Saúde da Família. Rev Esc Enferm, USP. 2011; 45 (5):1041-1047.

- Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017 Abr [cited 2017 Agos 07]; 5 (7): 01-12. Available from: http://rpq.revista.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59

-Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

- Portaria Nº 569, DE 1º DE JUNHO DE 2000. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html>.

- Unicef. Fundo das Nações Unidas para Infância. Guia dos direitos da gestante e do bebê. São Paulo: Globo, 2011. Disponível em: < http://www.unicef.org/brazil/pt/br_guiagestantebebe.pdf>.

-Lei Nº 11.634, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11634.htm>.

- Gomes AN, Gomes, LC. Avaliação da assistência pré-natal na percepção de gestantes atendidas em uma unidade com Programa de Saúde da Família. Saúde Coletiva [On-line] 2008,4 (19).

- Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: .

-Lei No 10.048, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2000. Disponível em: .

-Lei Nº 9.799, DE 26 DE MAIO DE 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9799.htm>.

- Lei No 6.202, DE 17 DE ABRIL DE 1975. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/l6202.htm>.

- Lei Nº 11.108, DE 7 DE ABRIL DE 2005. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm:>.

- Hodnett ED, Simon G, Justus HG, Carol S. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database of Systematic Reviews [online] 2012; [citado 2013 nov 07]. Disponível em http://www.mrw.interscience.wiley.com/cochrane/clsysrev/articles/CD003766/pdf_fs.html.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009 [cited 2017 Agos 07]. Available from: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/marco/08/Diretrizes-Parto-Normal-resumida-FINAL.pdf.

- Afonso VW, Knopp BSM, Queiroz JN, Pinto PG, Moutinho ILD, Magalhães JCC, Mendes KC, Ribeiro URVCO, Valle DA. Assistência à saúde integral do binômio mãe-filho no quinto dia de vida do bebê: relato de uma experiência. Interagir: pensando a extensão, Rio de Janeiro, n. 16, p. 77-81, jan./dez. 2011.

-Portaria Nº 1.016, DE 26 DE AGOSTO DE 1993. Disponível em: < http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_GM_MS_1016.pdf>.

- Lei Nº 11770, DE 09 DE SETEMBRO DE 2008. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11770.htm>.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011.

- Godoy MB, Gomes FA, Stefanello J, Monteiro JCS, Nakano AMS. Situação trabalhista da mulher no ciclo gravídico puerperal. Invest.educ.enferm [online]. 2011, vol.29, n.1, pp.47-53. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.