Perfil epidemiológico de primíparas atendidas em uma maternidade de alto risco [Epidemiological profile of primiparous attended in a high-risk maternity]

Priscilla Glazielly dos Santos de Moraes, Viviane Rolim de Holanda, Hérika Dantas Modesto Pinheiro

Resumo


RESUMO - Objetivo: descrever o perfil epidemiológico de primíparas atendidas em uma maternidade de alto risco. Método: trata-se de um estudo descritivo, de caráter quantitativo, com 73 primíparas, realizado no município do Recife (PE). A coleta foi realizada diariamente com as puérperas que se encontravam internadas no alojamento conjunto selecionadas de maneira aleatória simples, utilizando- se de seus prontuários e entrevista face-a-face. Resultados: os resultados revelaram predominância de mulheres jovens, com baixa escolaridade e sem renda fixa. A maioria residia em área urbana, sendo 42,50% na região metropolitana do Recife. Todas as primíparas compareceram ao acompanhamento pré-natal e 93,20% apresentaram algum risco gestacional. A maioria dos nascimentos ocorreu por cesariana. Entre as principais complicações obstétricas destaca-se a pré-eclâmpsia e o parto prematuro. Conclusão: concluiu-se que é importante o desenvolvimento de atividades educativas de modo a contribuir com a prevenção de agravos e melhoria na qualidade de vida das mulheres, no entanto, estas atividades devem ser realizadas em consonância com o perfil da clientela assistidas nos serviços de saúde.

 

ABSTRACT - Objective: to describe the epidemiological profile of first pregnancy women attended in a high-risk maternity. Method: this is a descriptive quantitative study, with 73 primiparous held in Recife (PE). Data collection was made with the mothers who were hospitalized in a collective accommodation; they were selected by simple random manner, using their records and face-to-face interview. Results: the results pointed out a predominance of young women with low educational level and no fixed income. The majority lived in urban areas, with 42.50% in the Metropolitan Region of Recife. All primiparous attended the prenatal and 93.20% presented some kind of risk on their pregnancy. Most births occurred by cesarean section. Among the major obstetric complications there was pre-eclampsia and premature delivery. Conclusion: The study concluded that it is important to perform educational activities in order to contribute to the prevention of diseases and improving quality of life for women. However, these activities must be performed according to the clients’ profile.



Palavras-chave


Enfermagem; Saúde da Mulher; Gestação de Alto Risco; Perfil de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Meller FO, Schäfer AA. Fatores associados ao tipo de parto em mulheres brasileiras: PNDS 2006. Ciênc saúde coletiva. 2011 Sep; 16( 9): 3829-35

Velho MB, Santos EKA, Brüggemann OM, Camargo BV. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto contexto enferm. 2012 Jun ; 21( 2 ): 458-66.

Menezes DCS, Leite IC, Schramm JMA, Leal MC. Avaliação da peregrinação anteparto numa amostra de puérperas no Município do Rio de Janeiro, Brasil, 1999/2001. Cad Saúde Pública. 2006 Mar; 22(3): 553-9.

Santos EMF, Amorim LP, Costa OLN, Oliveira N, Guimarães AC. Perfil de risco gestacional e metabólico no serviço de pré-natal de maternidade pública do Nordeste do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012 Mar; 34(3):102-6.

Zugaib M. Zugaib Obstetrícia. 2a ed. Barueri: Manole; 2012.

Buchabqui JA, Capp E, Ferreira J. Adequação dos encaminhamentos de gestações de alto-risco na rede básica de atenção à saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2006 Mar; 6(1): 23-9.

Ricci SS. Enfermagem materna-neonatal. Rio de Janeiro: Guanabara; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Manual técnico pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília: MS; 2006.

Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS; 1996.

Enkin M, Keirse MJN, Neilson J, Crowther C, Duley L, Hodnett E, et al. Guia para atenção efetiva na gravidez e no parto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;2008.

Patah LEM, Malik AM. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Rev Saúde Pública. 2011 Feb; 45(1):185-94.

Sakae TM, Freitas PF, D'orsi E. Fatores associados a taxas de cesárea em hospital universitário. Rev Saúde Pública. 2009 Jun; 43(3):472-80.

Nascer no Brasil. Cad de Saúde Publica. 30(supl 2014):1-8. No prelo, 2014.

Ministério da Saúde (BR). Pesquisa nacional de demografia e saúde da criança e da mulher. PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: MS; 2009.

Pelai E, Gardinelli ACM, Rocha APR, Peixoto LN, Pagotto P, Mantovani AM, et al. Perfil social e obstétrico de mulheres avaliadas no puerpério imediato. Colloquium vitae. 2013; 5(1).

Primo CC, Amorim MHC, Castro DS. Perfil social e obstétrico das puérperas de uma maternidade. Rev enferm UERJ. 2007 abr-jun; 15(2):161-7.

Rodrigues QP, Domingues PML, Nascimento ER. Perfil sociodemográfico de puérperas usuárias do sistema único de saúde. Rev enferm UERJ. 2011 abr-jun; 19(2): 242-8.

Reticena KO, Macedo LC. Perfil gestacional e de recém-nascidos no município de Campo Mourão–PR. Rev Saúde e Pesquisa. 2012 mai-ago; 5(2): 246-54.

Leite FMC, Barbosa TKO, Mota JS, Nascimento LCN, Amorim MHC, Primo CC. Perfil socioeconômico e obstétrico de puérperas assistidas em uma maternidade filantrópica. Cogitare Enferm. 2013 Abr-Jun; 18(2): 344-50.

Santos NLAC, Costa MCO, Amaral MTR, Vieira GO, Barcelar EB, Almeida AHV. Gravidez na adolescência: análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Ciênc. Saúde Coletiva. 2014 Mar; 19(3):719-726.

Barbas DS, Costa AJL, Luiz RR, Kale PL. Determinantes do peso insuficiente e do baixo peso ao nascer na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, 2001. Epidemiol. Serv. Saúde. 2009 Jun; 18(2): 161-70.

Xavier RB, Jannotti CB, Silva KS, Martins AC. Risco reprodutivo e renda familiar: análise do perfil de gestantes. Ciênc. saúde coletiva. 2013 Apr; 18(4): 1161-71.

Ministério da Saúde (BR). Manual técnico Gestação de Alto Risco. Brasília: MS; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: MS; 2012.

Gonçalves MLC, Silva HO, Oliveira TA, Rodrigues LV, Campos ALA. Perfil sociodemográfico e obstétrico de puérperas assistidas no município de Iguatu – CE. Rev Bras Promoç Saúde. 2012 abr-jun; 25(2 Supl):33-9.

Domingues RMS, Hartz ZMA, Dias MAB, Leal MC. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2012 Mar; 28(3):425-37.

Sanches NC, Mamede FV, Vivancos RBZ. Perfil das mulheres submetidas à cesareana e assistência obstétrica na maternidade pública em Ribeirão Preto. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2): 418-26.

DATASUS. Departamento de Informática do SUS [site de Internet]. Taxas de cesariana e mortalidade materna 2011 [citado em 01 Jun 2014] Disponível em: www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php

Ministério da Saúde (BR). Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: MS; 2001.

Dias MAB, Domingues RMSM, Pereira APE, Fonseca SC, Gama SGC, Theme Filha MM, et al. Trajetória das mulheres na definição pelo parto cesáreo: estudo de caso em duas unidades do sistema de saúde suplementar do estado do Rio de Janeiro. Ciênc saúde coletiva. 2008 Oct; 13(5):1521-34.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. Brasília: MS; 2007.

Morse ML, Fonseca SC, Gottgtroy CL, Waldmann CS, Gueller E. Morbidade materna grave e near misses em hospital de referência regional. Rev bras epidemiol. 2011 Jun; 14(2):310-22.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método Canguru. Brasília: MS; 2011.

Cravo EO, Oliveira JVR. Perfil epidemiológico dos nascidos vivos no município de Aracaju - Sergipe, Brasil. Ideias e Inovação. 2012 out; 1(1): 9-17.

Carniel EF, Zanolli ML, Antônio MARGM, Morcillo AM. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das declarações de nascidos vivos. Rev bras epidemiol. 2008 Mar; 11(1):169-79.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.