Fatores que interferem na transmissão vertical do HIV: revisão integrativa [Risk factors that interfere on vertical transmission of HIV: integrative review]

Izabel Cristina Hoffmann, Wendel Mombaque dos Santos, Clarissa Bohrer da Silva, Cristiane Cardoso de Paula, Stela Maris de Mello Padoin, Sônia Maria Oliveira de Barros

Resumo


RESUMO - Objetivo: avaliar as evidências disponíveis nos artigos científicos acerca dos fatores que interferem na transmissão vertical do HIV. Método: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, com a seguinte questão de pesquisa: quais são os fatores que interferem na transmissão vertical do HIV? A busca foi desenvolvida em janeiro de 2014 na base de dados LILACS, IBECS, MEDLINE, PubMed, Web of Science e Scopus com descritores "HIV" and "Transmissão Vertical de Doença Infecciosa" and "Fatores de Risco", o recorte temporal foi entre 2009 e 2013. Resultados: 24 artigos de pesquisa evidenciaram fatores de risco clínicos e imunológico, da nutrição materna, obstétricos, do uso de antirretrovirais, relacionados ao recém-nascido, comportamento e fatores protetores, profilaxia para o recém-nascido, regimes de terapia durante seis meses após o parto, alimentação do recém-nascido. Conclusão: Os fatores de risco e de proteção podem ser associados ou independentes entre si, de modo que para a redução das taxas de transmissão vertical devem ser realizadas ações que visem identificar estes fatores de modo a minimizar os riscos e promover a proteção do recém-nascido exposto.

 

ABSTRACT - Aim: to evaluate evidence available on scientific articles about factors that interfere on vertical transmission of HIV. Methods: It is an integrative literature review with the following research question: what are the factors that interfere on vertical transmission of HIV? Search was developed on January 2014 on databases LILACS, IBECS, MEDLINE, PubMed, Web of Science and Scopus with descriptors "HIV" and "" and "Risk Factors", timeframe was between 2009 and 2013. Results: 24 research articles that evidenced risk factors that are clinical and immunological, of a mother’s nutrition, obstetric, of antiretroviral use, related to newborns, behavior and protecting factors, prophylaxis for the newborn, therapy regimes during six months after delivery, newborn’s nutrition. Conclusions: Risk and protecting factors can be associated or independent among themselves, in order to reduce rates of vertical transmission it is necessary to perform actions that aim to identify these factors to minimize risks and promote protection for the exposed newborn.



Palavras-chave


HIV; transmissão vertical de doença infecciosa; síndrome da imunodeficiência adquirida; fatores de risco.

Texto completo:

PDF

Referências


Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. UNAIDS report on the global AIDS epidemic 2012. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data. 2012.

Costa JSD, Victora CG. O que é "um problema de saúde pública"?. Rev. bras. epidemiol. 2006;9(1):144-6.

Sousa AMD, Lyra A, Araújo CCF, Pontes JL, Freire RC, Pontes TL. A política da AIDS no Brasil: uma revisão da literatura. JMPHC 2012;3(1), 62-6.

Ayres JRCM, França Junior I, Calazans GJ, Saletti Filho HC. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM (Orgs). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009. p.121-43.

Pascom ARP, Szwarcwald CL. Sex inequalities in HIV-related practices in the Brazilian population aged 15 to 64 years old, 2008. Cad. Saúde Pública 2011; 27(Suppl 1): s27-s35.

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. Global report: UNAIDS report on the global AIDS epidemic 2013.UNAIDS, 2013. Disponível em: http://www.unaids.org/en/media/unaids/contentassets/documents/epidemiology/2013/gr2013/UNAIDS_Global_Report_2013_en.pdf Acesso em 06/04/14.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico - Aids e DST. Ano II - nº 1 - até semana epidemiológica 26ª - dezembro de 2013.

Santos RCS, Souza MJA. HIV na gestação. Estação Científica (UNIFAP) 2012;2(2):11-24.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_prevencao_transmissao_verticalhivsifilis_manualbolso.pdf Acesso em: 15/02/2014

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Antirretroviral em Gestantes. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 172 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/consenso_gestantes_2010_vf.pdf Acesso em: 07/04/2014

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 6259/75 e Portaria nº 5 de 21/02/2006. Dispõe sobre a organização das ações de Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças, e dá outras providências. Brasília, 2006.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-64.

Melnyk BM, Fineout-Overh E. Evidence-based practice in nursing & healthcare. A guide to best practice. Philadelphia : Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wilkins. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.