Motivos e sentimentos de mulheres acerca do aborto espontâneo [Reasons and women feelings about of spontaneous abortion]

Inez Sampaio Nery, Ivanilda Sepúlveda Gomes

Resumo


RESUMO - Estudo de natureza qualitativa que teve como objeto do estudo os sentimentos vivenciados por mulheres em situação de aborto espontâneo. Objetivos: descrever as causas relacionadas ao aborto espontâneo em mulheres residentes em Teresina-PI e discutir os sentimentos vivenciados pelas mulheres. Metodologia: Os sujeitos da pesquisa foram 11 mulheres hospitalizadas com história de aborto espontâneo, identificadas em livros de registro da instituição. O método utilizado foi Narrativa de Vida e a técnica a entrevista aberta e prolongada sem roteiro pré-estabelecido. Resultados: Os dados revelaram como motivos do aborto espontâneo: susto, desconhecimento da gravidez, uso incorreto de anticoncepcional, ausência de pré-natal, conflitos de gênero e traumas físicos. Os sentimentos manifestados destacaram-se tristeza, alívio, preocupação, desejo de ter o filho vivo, consolo álibi, contrariedade, medo, culpa e falta de apoio emocional. Conclusão: Conclui-se que essas mulheres merecem cuidados de Enfermagem que priorize bem-estar, sem julgamento de valores, para que se possa construir uma relação de confiança e afetividade, sensível e recíproca através da subjetividade nas relações interpessoais. A Enfermagem obstétrica deve estar direcionada a desenvolver atividades preventivas e auxiliem as mulheres a evitarem abortamento, caso não seja possível evitá-lo, prestar atenção qualificada e proporcionar-lhes reconhecimento de sinais e sintomas de possíveis complicações oportunamente.

ABSTRACT - Objective: This qualitative study aimed to describe the causes related to spontaneous abortion in women living in Teresina-PI and discuss the feelings of women suffering spontaneous abortion. Methodology: The informants were 11 women who were hospitalized with a history of miscarriage, identified in the record books of the institution. The method used was the life history and technique to open and extended interview without pre-established script. Results: Data revealed as reasons for miscarriage: fright, lack of pregnancy, incorrect use of contraceptives, lack of prenatal care, gender conflicts and physical trauma. The sentiments expressed by them stood out sadness, relief, concern, desire to have her son alive, comfort alibi, annoyance, fear, guilt and lack of emotional support. Conclusion: It is concluded that these women deserve nursing care that prioritizes wellness without value judgment, so that we can build a relationship of trust and affection, sensitive and reciprocal subjectivity through interpersonal relationships. Obstetric Nursing should be directed to develop preventive activities and assist women to avoid abortion , if you cannot avoid it, provide qualified assistance and provide them with recognition of signs and symptoms of possible complications due course.


Palavras-chave


Aborto espontâneo; Motivos e sentimentos; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Políticas para as Mulheres. Mulheres Brasileiras políticas e dados. Brasília (DF); 2010

Gilbert ES, Harmon JS. Manual Prático de Gravidez e Parto de Alto Risco. 2ª ed. Rio de Janeiro : Reevinter Ltda ; 2002.

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Obstetrícia Fundamental. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011.

Ministério da Saúde (Br). Atenção Humanizada ao Abortamento: norma técnica 2. Ed. Brasília (DF); 2011.

Ministério da Saúde (Br) . Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília (DF); 2009.

Galli B, Adesse L. Mitos e verdade sobre o aborto. Rio de Janeiro; 2009. IPAS, BRASIL www.ipas.org.br

Ministério da Saúde (Br). Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Brasília; 2009.

Glat R. Somos iguais a vocês. Depoimentos de mulheres com deficiência mental. Rio de Janeiro: Agir; 1989.

Spindola T, Santos RS. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa (dora?). Rev Esc Enferm USP. 2003; 37(2): 119-26.

Santos IMM, Santos RS. A etapa de análise no método história de vida: uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008; 17(4): 714-19.

Bertaux D. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus; 2010.

Nascimento FM, Dantas MFS, Bezerra RLA, Nery SI. Perfil da mortalidade materna em maternidade pública de Teresina - PI, no período de 1996 a 2000: uma contribuição da enfermagem. Esc Anna Nery. 2007 ; 11 (3): 472 - 8.

.Chaves Netto H, Sá RAM. Obstetrícia básica. 2 ed. São Paulo: Atheneu; 2007.

Rodrigues MML, Hoga LAK. Homens e abortamento espontâneo: narrativas das experiências compartilhadas. Rev Esc Enferm USP. 2005; 39(3): 258-67.

Mariutti MG, Furegato ARF, Scatena MCM, Silva L. Relação de ajuda entre o enfermeiro e a mulher em abortamento espontâneo.Ciência, Cuidado e saúde. 2005; 4(1): 83-88.

Boemer MR, Mariutti MG. A mulher em situação de abortamento: um enfoque existencial. Rev Esc Enferm USP. 2003; 37(2):59-71.

Nery IS, Tyrrell MAR. O aborto provocado e a questão de gênero: mulheres em evidências e as evidências das mulheres para as bases da assistência de enfermagem. 2ª ed. Teresina: ADUFPI; 2010.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Políticas para as Mulheres. Revista do Observatório Brasil da igualdade de Gênero. Autonomia econômica, empoderamento e inseção das mulheres no mercado de trabalho. Brasília (DF); 2010.

Bazotti KDV, Stumm EMF, Kirchner RM. Ser cuidada por profissionais da saúde: percepções e sentimentos de mulheres que sofreram abortamento. Texto contexto - enferm. 2009; 18(1): 147-54.

Nery IS, Monteiro CFS, Luz MHBA, Crizóstomo CD. Vivências de mulheres em situação de aborto espontâneo. Rev. Enferm. UERJ. 2006;14(1): 67-73.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.