Educação permanente em saúde: uma estratégia para a melhoria das práticas obstétricas [Permanent health education: a strategy for improving obstetrical practices]

Andrea Maria Lima, José Flávio Lima Castro

Resumo


Introdução: a falta de um serviço de educação permanente em saúde (EPS) na policlínica e maternidade Professor Barros Lima (PMPBL) dificulta o ordenamento das atividades, bem como a adoção e uniformização de boas práticas assistenciais desde a admissão até a alta. Objetivo: elaborar um serviço de educação permanente em saúde na PMPBL. Método: trata-se de um projeto de intervenção que seguiu o método do Arco de Maguerez. Resultados: foi elaborado um serviço de educação permanente em saúde na PMPBL, porém por diversas razões estruturais, o serviço não foi implantado. Acredita-se que não demorará muito tempo devido o interesse gerencial para que seja realizado. Conclusão: Espera-se que a instituição vislumbre a implantação do EPS como uma estratégia facilitadora para a adoção das novas práticas obstétricas baseadas em evidências, possibilitando uma assistência obstétrica e neonatal igualitária a todas as mulheres e neonatos assistidos nesta unidade.

ABSTRACT

Introduction: the lack of a permanent health education service (PHES) in the Policlìnica e Maternidade Professor Barros Lima (PMPBL) complicates the planning of activities, as well as the adoption and standardization of best care practices from admission to discharge. Objective: to develop a permanent health education service in PMPBL. Method: this is an intervention project that followed the method of Maguerez’s Arc. Results: we performed the design of a permanent health education service in PMPBL, but several structural reasons, the service was not deployed. We do believe that it will not take long because of the managerial interest on doing it. Conclusion: It is expected that the institution glimpse PHES deployment as an enabling strategy for the adoption of a new obstetric evidence based practices, allowing a high quality obstetric and neonatal care to all women and newborns assisted in this unit.

RESUMEN

Introducción: la falta de un servicio de educación permanente en salud (SEPS) en la Policlínica y Maternidad Profesor Barros Lima (PMPBL) complica la planificación de actividades, así como la adopción y estandarización de las mejores prácticas de atención desde el ingreso hasta el alta. Objetivo: desarrollar un servicio permanente de educación sanitaria en PMPBL. Método: este es un proyecto de intervención que siguió el método del Arco de Maguerez. Resultados: realizamos el diseño de un servicio permanente de educación sanitaria en la PMPBL, pero por varias razones estructurales, el servicio no se implementó. Creemos que no llevará mucho tiempo debido al interés gerencial en hacerlo. Conclusión: se espera que la institución vislumbre el SEPS como una estrategia habilitadora para la adopción de nuevas prácticas obstétricas basadas en evidencia, permitiendo una atención obstétrica y neonatal de alta calidad para todas las mujeres y recién nacidos asistidos en esta unidad.


Palavras-chave


Enfermagem obstétrica; Educação permanente; Obstetrícia; Educação em saúde

Texto completo:

PDF(POR)

Referências


- Santos CM, Tenório FPS, Deonkich F. Saberes e tecnologias para implantação de uma política. Material Didático-Pedagógico de Educação Permanente da FUNESA (Fundação Estadual de Saúde, Secretaria de Estado da Saúde de Sergipe). Livro do Aprendiz 2. Aracaju: FUNESA, 2011.

- Ministério da Saúde (Br). Portaria GM/MS n.1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.

- Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – comunicação, saúde, educação. 2005 set-fev; 9(16): 161 – 178.

- Motta JIJ, Buss P, Nunes TCM. Novos desafios educacionais para a formação de recursos humanos em saúde. Olho Mágico. 2001 set-dez; 8 (3): p. 4-8.

- Ministério da Saúde (Br). Portaria n. 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providencias. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004

- Amestoy SC et al. Educação permanente e sua inserção no trabalho da enfermagem. Ciência, Cuidado e Saúde. 2008 (7)1: p. 083-088.

- Carneiro MS et al. Educação permanente em saúde no desenvolvimento organizacional do serviço de enfermagem da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Revista Paraense de Medicina. 2006 out-dez; (20)4.

- Paz AAMA et al. Orientação para elaboração do projeto de intervenção local. II Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania com ênfase na Educação de Jovens e Adultos (EJA) - 2013-2014. Universidade de Brasília (UnB). Brasília (DF): 2013; 13.

- Martins JJ, Albuquerque GL. A utilização de tecnologias relacionais como estratégia para humanização do processo de trabalho em saúde. Ciência Cuidado e Saúde. 2007; 6 (3): p. 351-6.

- Ferraz F. Educação permanente/continuada no trabalho: um caminho para a construção e transformação em saúde nos hospitais universitários federais de ensino [dissertação de mestrado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

- Mitre SM et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência e Saúde coletiva. 2008; 13(2): p. 2133-44.

- Silva GM. Educação continuada/educação permanente em enfermagem: uma proposta metodológica [dissertação de mestrado]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2005.

- Ricaldoni CAC, Sena RR. Educação permanente: uma ferramenta para pensar e agir no trabalho de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2006 nov-dez; 14 (6).

- Fergusson MEM. Importancia de los modelos conceptuales y teorias de enfermería: experiência de la Facultad de Enfermería de la Universidad de La Sabana. Revista Aquichan. 2005; 5(1): p. 57-58.

- Organização Mundial de Saúde. Recomendações da OMS no atendimento ao parto normal. In: Amigas do parto. Fortaleza (CE): OMS; 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.