As práticas utilizadas nos partos hospitalares assistidos por enfermeiras obstétricas

Carlos Sérgio Corrêa dos Reis, Danielle de Oliveira Mendonça Souza, Jane Márcia Progianti, Ovtavio Muniz da Costa Vargens

Resumo


RESUMO - Introdução: a atenção ao parto tem sido alvo de estudos em diferentes campos com destaque para as questões relacionadas ao uso excessivo de intervenções nem sempre necessárias. Objetivo: descrever as práticas utilizadas nos partos acompanhados por enfermeiras obstétricas em uma maternidade municipal do Rio de Janeiro. Método: Estudo descritivo, quantitativo, transversal. Os dados analisados correspondem ao período 2004 a 2008. A coleta dos dados foi através do livro de registro de partos onde encontramos 4510 partos assistidos por enfermeiras. Para a análise foram calculadas a média, mediana e proporção de cada variável estudada. As análises foram realizadas utilizando o programa Epi info versão 3.5.1. Resultados: 85,3% das mulheres utilizaram práticas que não interferem na fisiologia do parto, sendo a mais freqüente os exercícios respiratórios. Porém, 67,9% das mulheres utilizaram práticas que interferem na fisiologia do parto, sendo a mais realizada a administração de ocitocina. Conclusão: Conclui-se que tanto práticas apoiadas no modelo tecnocrático, quanto as condizentes com o modelo humanizado de atenção ao parto, estão presentes na unidade pesquisada.

 

ABSTRACT - Introduction: childbirth attendance has been the focus of several studies on different knowledge fields, mainly concerning the unnecessary use of interventionists procedures. Objective: to describe the practices used o childbirths attended by obstetrical nurses at a municipal maternity hospital in Rio de Janeiro. Method: This descriptive, quantitative, cross-sectional study was conducted from 2004 to 2008. Data collection was performed using the delivery register book, which listed that 4510 deliveries were assisted by nurses. The mean, median and ratio of each studied variable were calculated for data analysis, which was performed using Epi info version 3.5.1. Results: 85.3% of women used practices that do not interfere in the physiology of labor: the most common being breathing exercises. Nevertheless, practices that do interfere in the physiology of labor were used by 67.9% of women: the most common being the administration of oxytocin. Conclusion:, it is concluded that practices based on the technocratic model as well as those related to the humanized model are both adopted at the studied service.


Palavras-chave


Parto humanizado; Humanização da assistência; Prática profissional; Enfermagem obstétrica

Texto completo:

PDF

Referências


Sousa AI, Silver LD. Perfil sociodemográfico e estado de saúde auto-

-referido entre idosas de uma localidade de baixa renda. Esc Anna Nery

Rev Enferm. 2008;12 (4):706-16

Diniz CSG. A humanização de assistência ao parto no Brasil: os muitos

sentidos de um movimento. Revista Ciência e Saúde Coletiva /Associação

Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. 2005; 10(3): 627-37.

World Health Organization (WHO). Maternal and newborn health. Safe

motherbood unit, family and reproductive health care in normal birth: A

pratical guide. Genebra: World Health Organization, 1996.

Moura FMS, Crizostomo P, Nery CD, Mendonça IS, RCM Araújo, Rocha

OSS. A humanização e a assistência de enfermagem ao parto normal. Rev

Bras Enferm.2007; 60(4):452-55.

Wrobel LL, Ribeiro STM. A prática do parto humanizado no SUS: estudo

comparativo. Acta Sci Health Sci.2006; 28(1):17-22.

Souza, DOM. Partos assistidos por enfermeiras: práticas obstétricas realizadas

no ambiente hospitalar no período de 2004 a 2008 [dissertação].

Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro: 2011.

Mouta RJO, Progianti JM. Estratégias de luta das enfermeiras da Maternidade

Leila Diniz para implantação de um modelo humanizado de

assistência ao parto. Texto contexto enferm. 2009;18(4).

Polit DF, Hungler BP.Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 6ªed.

Porto Alegre: ArtMed, 2004.

Rocha CR, Fonseca LC. Assistência do enfermeiro obstetra à mulher

parturiente: em busca do respeito à natureza. Rev. de Pesq.: cuidado é

fundamental Online. 2010; 2(2):807-16.

Lima GPV, Nascimento SD, Gouveia MSF, Pereira ALF, Nagipe SFSA. O

ambiente do cuidado de enfermagem obstétrica como facilitador do parto

normal. [resumo]. In: 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2009 Dez

-10; Fortaleza. Livro de resumos. Ceará: ABEn Seção - CE; 2009. p. 4867

D‘orsi E, Chor D, Giffin K, Ângulo-Tuesta A, Barbosa GP, Gama AS et al.

Quality of birth care in maternity hospitals of Rio de Janeiro, Brazil. Rev

Saúde Pública. 2005; 39(4): 646-54.

Oliveira MIC, Dias MAB, Cunha CB, Leal MC. Quality assessment of labor

care provided in the Unified Health System in Rio de Janeiro,Southeastern

Brazil, 1999–2001.Rev Saúde Pública. 2008; 42(5): 895-902.

Lobo SF. Caracterização da assistência ao parto e nascimento em um

centro de parto normal do município de São Paulo [dissertação]. São Paulo:

Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2009.

Davim, RMB, Torres GV. Avaliação do uso de estratégias não farmacológicas

no alívio da dor de parturientes. Rev RENE.2008; 9(2):64-72.

Cluett ER, Burns E. Immersion in water in labour and birth. Cochrane

Database of Systematic Reviews. 2009; Issue 2. Art. No.: CD000111. DOI:

1002/14651858.CD000111.pub3.

Huntley AL, Coon JT, Ernst E. Complementary and alternative medicine

for labor pain: A systematic review. American Journal of Obstetrics and

Gynecology.2004;1(191): 36–44.

Lawrence A, Lewis L, Hofmeyr GJ, Dowswell T, Styles C. Maternal positions

and mobility during first stage labour. Cochrane Database of Systematic

Reviews. 2009;Issue 2. Art. No.: CD003934. DOI: 10.1002/14651858.

CD003934.pub2.

Pereira ALF, Moura MAV. Hegemony and counter-hegemony in the

process of implementing the Birth Center in Rio de Janeiro . Rev. esc.

enferm USP. 2009; 43(4):872-79

Declercq ER, Sakala C, Corry MP, Applebaum S, Risher P. Listening to

mothers: Report of the first national U.S. survey of women’s childbearing

experiences. New York: Maternity Center Association, 2002.

Browne M, Jacobs M, Lahiff M, Miller S. Perineal Injury in Nulliparous

Women Giving Birth at a Community Hospital: Reduced Risk in Births

Attended by Certified Nurse-Midwives. J Midwifery Womens Health.

; 55:243–49

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Parto,

aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília(DF): Ministério

da Saúde; 2001.

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Assistência ao Trabalho de Parto: 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Parto,

aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília (DF): Ministério

da Saúde; 2001.

Previatti JF, Souza KV. Episiotomia: em foco a visão das mulheres. Rev

Bras Enferm. 2007; 60 (2):197-201.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área

Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistências humanizadas

à mulher. Brasília; 2001.

Bento PASS, Santos RS. Realização da episiotomia nos dias atuais à luz da

produção científica: uma revisão. Esc Anna Nery Rev Enferm .2006 ; 10(3):552-9

Althabe F, Belizan JM, Bergel E. Episiotomy rates in primiparous women

in Latin American: hospital based descriptive estudy. BMJ. 2002;

(7343): 945-6.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.