O significado do acompanhante na assistência ao parto para a mulher e familiares [The meaning of the companion in the childbirth for woman and relatives]

Kele Andrade Ferreira, Lélia Maria Madeira

Resumo


Introdução: No Brasil, através de estratégias criadas de humanização da assistência ao parto e nascimento é aprovada em 2005 a Lei nº 11.108 que propõe a presença de um acompanhante escolhido pela própria parturiente durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto, caracterizando-se como prática para uma assistência humanizada. Objetivos: conhecer a percepção da puérpera que teve a presença do acompanhante no trabalho de parto, parto e pós-parto imediato; conhecer a percepção do acompanhante sobre a experiência vivida e refletir acerca dos benefícios do acompanhante para a mulher, recém-nascido e família. Métodos: trata-se de um estudo exploratório e descritivo realizado no Hospital Sofia Feldman em Belo Horizonte, coletando-se dados por meio de entrevistas semi estruturadas realizadas com 13 puérperas e 13 acompanhantes. Resultados: a partir da análise dos resultados das entrevistas foram identificadas quatro categorias empíricas relacionadas ao significado do acompanhante e os benefícios da sua presença; experiências com o parto com e sem acompanhante e conhecimento sobre humanização e a lei do acompanhante. Conclusões: os resultados revelaram a importância do acompanhante para a mulher, recém-nascido e para o próprio acompanhante, reforçando o que é preconizado pelo Ministério da Saúde sobre a atenção humanizada ao parto/nascimento.

ABSTRACT - Introduction: In Brazil, through strategies adopted to humanize the care during childbirth is supported by the Law nº 11.108 / 2005, that aimed at the presence of a companion chosen by the mother during the whole process of giving birth and postpartum. Objectives: to know the perception of postpartum women who had the presence of a companion during labor, delivery and the immediate postpartum period; to know the perceptions of the companion on this experience and to reflect on the benefits of a companion for women, newborns and families. Methods: This is an exploratory and descriptive study performed at Sofia Feldman Hospital in Belo Horizonte, collecting data through semi-structured interviews with 13 postpartum women and 13 companions. Results: From data analysis emerged four empirical categories related to the meaning of companion and the benefits of their presences; delivery experiences with or without a companion and knowledge of humanization and the law of companion. Conclusions: The results revealed the importance of companions for women, newborns and for the accompanying himself, reinforcing what is recommended by the Brazilian Ministry of Health on humanized birth care.


Palavras-chave


Acompanhantes; Parto humanizado; Trabalho de parto; Parto; Período pós-parto

Texto completo:

PDF

Referências


Santos JO, Tambellini CA, Oliveira SMJV. Presença do acompanhante durante o processo de parturição: uma reflexão. REME Rev Min Enferm. 2011;15(3):453-8.

Brasil. Lei n. 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a lei n° 8.080 de 19 de Setembro de 1990, para garantir as parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós- parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União, Brasília, 8 abr. 2005.

Camacho KG, Progiant JM. A transformação da prática obstétrica das enfermeiras na assistência ao parto humanizado. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2013 [citado 2014 set. 08];15(3):648-55. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i3.18588.

Silva Júnior AG, Alves CA. Modelos assistenciais em saúde: desafios e perspectivas. In: Morosini MVGC, Corbo ADA, organizadores. Modelos de atenção e a saúde da família. [Internet]. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007 [citado 2012 ago. 11]. Disponível em: http://www2.ghc.com.br/GepNet/docsris/rismaterialdidatico63.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes gerais e operacionais da rede cegonha. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [citado 2012 set. 02]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=37082

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun. 2013. Seção 1. p. 59.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF, Galiza FT, Monteiro LC. O acompanhante no momento do trabalho de parto e parto: percepção de puérperas. Cogitare Enferm. 2011;16(2):247-53.

Silva RM, Barros NF, Jorge HMF, Melo LPT, Ferreira Junior AR. Evidências qualitativas sobre o acompanhamento por doulas no trabalho de parto e no parto. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2783-94.

Carvalho IS, Costa Júnior PB, Macedo JBPO, Araújo RDT. Acompanhantes no processo de nascimento: benefícios reconhecidos pelos enfermeiros. J Health Sci Inst. 2013;31(2):166-71.

Odent M. Birth reborn. New York: Pantheon Books; 1984.

Perdomini FRI, Bonilha ALL. A participação do pai como acompanhante da mulher no parto. Texto & Contexto Enferm. 2011;20(3):445- 52.

Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr GJ, Sakala C, Weston J. Continuous support for women during childbirth: review. Cochrane Database Syst Rev. 2011;16(2):CD003766.

Diniz CSG. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(3):627-37.

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: visita aberta e direito a acompanhante. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Horta JCA, Almeida A, Alves CO, Duarte ED, Dittz ES, Lopes TC. Tecnologia e inovação das doulas comunitárias: mediações na assistência ao parto. In: Pinheiro R, Martins PH, organizadores. Usuários, redes sociais, mediações e integralidade em saúde. Rio de Janeiro: IMS; Editora Universitária UFPE; 2011.

Oliveira M. Rede Cegonha: cuidado que começa no pré-natal. Rev Bras Saúde Família. 2011;12(30):35-40.

Motta CCL, Crepaldi MA. O pai no parto e apoio emocional: a perspectiva da parturiente. Paidéia (Ribeirão Preto). 2005;15(30):105-18.

Brasil. Ministério da saúde; Secretaria de Assistência à Saúde. Programa nacional de humanização do pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Assistência à Saúde. Programa nacional de humanização da assistência hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.