Repercussões no concepto decorrentes de complicações clínicas maternas: revisão integrativa [Impact on the fetus due to maternal clinical complications: an integrative literature review]

Aline Di Santo Chaves, Anelise Riedel Abrahão, Rosely Erlach Goldman, Flavia Westphal

Resumo


RESUMO - Introdução: durante a gravidez são formados sonhos e imagens que despertam expectativas na criação de um filho, formando-se um vínculo que pode ser descontinuado frente ao diagnóstico de uma malformação fetal. No Brasil existem políticas públicas voltadas à atenção da saúde materno-infantil. Dentre elas, destacamos neste trabalho a importância da avaliação préconcepcional que tem como objetivo preparar a mulher para a gestação. Objetivo: conhecer a produção científica mundial acerca das repercussões de complicações clínicas maternas no desenvolvimento do concepto. Método: revisão integrativa da literatura, nas bases de dados Scielo, Medline e Lilacs. O levantamento bibliográfico abrangeu as publicações nacionais e internacionais no período de 2009 a 2013, sendo identificados 15 artigos que compuseram a amostra do estudo. Resultados: das complicações maternas identificadas 81,3% era uma patologia crônica. O uso de medicamentos durante a gestação foi verificado em 73,3% dos artigos e as anomalias no concepto em 60% deles. Conclusão: estudos sugerem que a exposição inadvertida a fatores teratogênicos pode interferir negativamente no desenvolvimento do concepto e, portanto, que mais estudos devem ser realizados no sentido de conhecer estes potenciais fatores de risco. Implicações para a enfermagem obstétrica: além da identificação de fatores de risco, o estudo chama a atenção para a importância das ações de prevenção primária no que tange o preparo das mulheres para a maternidade.

ABSTRACT - Introduction: during pregnancy are formed dreams and images that arouse expectations in creating a child, creating a bond that can be discontinued when facing the diagnosis of fetal anomalies. In Brazil, there are public policies focused on maternal and child health attention. Among them, we highlight in this paper the importance of preconception evaluation that aims to prepare women for pregnancy. Objective: to knowl the world’s scientific literature about the impact of maternal medical complications in the conceptus’ development. Metodology: integrative literature revision in the Scielo, Medline and Lilacs databases. The literature survey covered national and international publications in the period 2009-2013, being identified 15 items that composed the study sample. Results: from identified maternal complications, 81.3% was a chronic pathology. The use of drugs during pregnancy was observed in 73.3% of articles and anomalies in the fetus at 60% of them. Conclusion: Sstudies suggest that inadvertent exposure to teratogenic factors may adversely affect the development of the fetus and, therefore, that further studies should be undertaken to meet these potential risk factors. Contribution for midwifery: beyond the identification of risk factors, the study draws attention to the importance of primary prevention actions regarding the preparation of women for motherhood.


Palavras-chave


Anormalidades congênitas; atenção primária à saúde; complicações na gravidez; saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Rezende JD, Montenegro CAB. Obstetrícia fundamental. 12ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan LTDA; 2011.

Carrara HHA, Duarte G. Semiologia obstétrica. Simpósio: Semiologia especializada. 1996; Ribeirão Preto; 29:88-103

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru/ Ministério da Saúde. 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011. 204: (Serie A. Normas e Manuais Técnicos).

Santos RS, Dias IMV. Refletindo sobre a malformação congênita. Rev. bras. enferm. 2005. 58(5) 592-6.

Nhoncanse GC, Melo D. Confiabilidade da Declaração de Nascido Vivo como fonte de informação sobre os defeitos congênitos no Município de São Carlos. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17(4):955-63.

Sbragia L. Tratamento das malformações fetais intraútero. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(1):47-54.

Alexandre LBSP. Políticas públicas de saúde da mulher. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ. Enfermagem e saúde da mulher. São Paulo: Manole; 2006.p.3-19.

Neto ETS, Alves KCG, Zorza M. Políticas de saúde materna no brasil: os nexos com indicadores de saúde materno-infantil. Saúde Soc. São Paulo. 2008; 17(2): 107-19.

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico/ Ministério da Saúde, 5. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012. 302 (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco/ Ministério da Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012. 318 (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32).

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4): 758-64.

Reis Z S N; Miranda A P B, Rezende C de A L, Detofol B R, Costa R C, Cabral, Vieira A C. Rastreamento de cardiopatias congênitas associadas ao diabetes mellitus por meio da concentração plasmática materna frutosamina. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2010; Feb. 32(2):66-71.

Jacobsen PE, Henriksen TB, Haubek D, Ostergaard JR. Developmental enamel defects in children prenatally exposed to anti-epileptic drugs. [internet]. PLOS ONE. 2013; Março. 8(3):1-6 Disponível em: www.plosone.org

Floridia M, Mastroiacovo P, Tamburrini E,et al.| Birth defects in a national cohort of pregnant women with HIV infection in Italy, 20012011. An International Journal of Obstetrics & Gynaecology. 2013; Nov. 120(12):1466–76.

Winterfeld U, Allignol A,Panchaud A,et al. Pregnancy outcome following maternal exposure to statins: a multicentre prospective study. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology.2013; Março.120 (4):463–71.

Arteaga-Vázquez J, Luna-Muñoz L, Mutchinick OM. Congenital malformations in the offspring of epileptic mothers with and without anticonvulsant treatment. Salud Pública Méx. 2012; Nov./Dec. 54(6): 579-86.

Yi W, Liu M, Cai. Safety of lamivudine treatment for chronic hepatitis B in early pregnancy. World J Gastroenterol. 2012; Dec. 18(45): 6645–50.

Lupo PJ, Canfield MA, Chapa C. Diabetes and obesity-related genes and the risk of neural tube defects in the national birth defects prevention study. Am J Epidemiol. 2012; Dec.176(12):1101-9.

Gibb DM, Kizito H, Russell EC, Chidziva E,et al. Pregnancy and infant outcomes among HIV-infected women taking long-term ART with and without tenofovir in the DART trial. [internet]. PLoS Medicine. 2012; May. 9(5):1-15.Disponível em: www.plosmedicine.org.

Lin S, Munsie JP, Herdt-Losavio ML, Druschel CM, et al. Maternal asthma medication use and the risk of selected birth defects. Pediatrics. 2012; Feb. 129(2):e317-24.

Anderka M, Mitchell AA, Louik C, et al. Medications used to treat nausea and vomiting of pregnancy and the risk of selected birth defects. Birth Defects Res A Clin Mol Teratol. 2012; Jan. 94(1):22-30.

Watts DH, Huang S, Culnane M, Kaiser KA, Scheuerle A,et al. Birth defects among a cohort of infants born to HIV-infected women on antiretroviral medication. J Perinat Med. 2011; Mar. 39(2):163-70.

Brogly SB, Abzug MJ, Watts DH, et al. Birth defects among children born to human immunodeficiency virus-infected women: pediatric AIDS clinical trials protocols 219 and 219C. Pediatr Infect Dis J. 2010; Agost. 29(8):721-7.

Cassina M, Santis MD, Cesari E,et al. First trimester diclofenac exposure and pregnancy outcome. Reprod Toxicol. 2010; Nov. 30(3):401-4.

Coelho J, Beaugerie L, Colombel JF, et al. Pregnancy outcome in patients with inflammatory bowel disease treated with thiopurines: cohort from the CESAME Study. Gut. 2011; Feb. 60(2):198-203.

Pieper PG, Balci A, Aarnoudse JG, et al. Uteroplacental blood flow, cardiac function, and pregnancy outcome in women with congenital heart disease. Circulation. 2013; Dec 3. 128(23):2478-87.

Amorim MMR, Vilela PC, Santos ARVD, et al. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidadeescola do Recife. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2006; 6 (Supl 1): S19-S25.

Carvalho FT, Piccinini CA. Aspectos históricos do feminino e do maternal e a infecção pelo HIV em mulheres. Ciênc. saúde coletiva. 2008; 13(6): 1889-98.

Lorenzato RZ, Cavalli RCC, DuarteG, et al. Epilepsia e Gravidez: Evolução e Repercussões. RBGO. 2002; 24 (8): 521-6.

Schüler-Faccini L, Leite JCL, Sanseverino MTV, et al. Avaliação de teratógenos na população brasileira. Ciênc. Saúde Coletiva. 2002; 7(1): 65-71.

Phillips S, White MB, Samson B, et al. Manual Merck: Saúde para a família. Seção 22: 247. [Internet]; EUA: Project House inc; [acesso em 2014 Jul 20]; Disponível em: http://mmspf.msdonline.com.br/pacientes/ manual_merck/secao_22/cap_247.html

Federal register. Propost rules. may 2008. 73(104). [internet]. US: Food and Drug Administration. [Acesso em 2014 Agost 26]; Disponível em: http://www.fda.gov/.

Junior LK, Jóse A. Drogas na gravidez: manual de orientação. São Paulo: Ponto, 2003.

Cavalil RC, Baraldi CO, Cunha SP. Transferência placentária de drogas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2006; 28(9): 557-64.

Rocha D, Carvalho G. Sistema de informações sobre agentes teratogênicos. [internet]. Salvador: Universidade Federal da BA; [acesso em 29 Agosto, 2014]. Disponível em: http://www.siat.ufba.br/oque_siat.

Sistema cardiovascular. In: Garcia SML, Fernádez CG. Embriologia. 3°ed. Porto Alegre: Artmed: 2012. p.567-93

Noronha L, Medeiros F, Martins VDM, et al. Malformações do Sistema Nervoso Central. Arq Neuropsiquiatr. 2000; 58(3-B):890-6

Arruda TAM, Amorim MMR, Souza ASR. Mortalidade determinada por anomalias congênitas em Pernambuco, Brasil, de 1993 a 2003. Rev Assoc Med Bras. 2008; 54(2): 122-6.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.